A Educação

 VALORES HUMANOS

A EDUCAÇÃO

 

“Educar, do latino “ex-duccere” quer dizer “extrair, tirar para fora”, o que o aluno tem de melhor dentro de si mesmo, os “Valores Humanos” que são inerentes a ele.”

 

A finalidade da educação

A finalidade da educação é a formação do carater e não o conhecimento livresco.

 

A educação deveria ser vista como um aprendizado gradual para a vida em toda a sua totalidade e não uma coisa limitada a exercícios de memorização.

 

O que entendemos como carater são as virtudes potenciais agregadas ao ser humano, como a paciência, a tolerância, a compaixão, a determinação, a integridade, a humildade, etc.

 

Há uma grande responsabilidade depositada em todos os adultos pelo exemplo que devem oferecer à vida de sua comunidade.

 

O ser social não é outra coisa senão o acumulo de todos os hábitos cultivados desde a infância. Bons costumes resultam numa boa personalidade.

 

Os “Valores Humanos” são a mais sólida riqueza de uma sociedade existem com toda a sua potencialidade no coração de cada ser humano. Assim sendo, o bom processo educativo é aquele que auxilia a desabrochar a mais perfeita expressão que se encontra latente no ser humano.

 

Só existe uma verdade e é aquela que responde as seguintes perguntas: “Quem sou eu?”, “De onde venho?”, “Para onde vou?”. Os animais se colocam essas questões? Se a educação não permitir aos alunos refletirem sobre essas três perguntas básicas, deixaremos de ser humanidade para voltarmos à animalidade.

É do sistema educacional que dependem a paz e a prosperidade

Um país mostrará a sua prosperidade e a sua pacificação conforme for o seu nível educacional. A unidade no trabalho e seus propósitos são a força motora; trabalhando todos unidos para o bem do país, quantas maravilhas poderíamos conquistar!Porém o mais freqüente nos sistemas educacionais do presente momento é o esquecimento dessa unidade básica, para – ao contrário – imprimir mais e mais as diferenças.

Assim, abre-se mão do bem supremo da unidade, em função de egoísmos pessoais, partidarismos, de grupos e de classes.

Uma sociedade se caracteriza pela inter-relação de uns com os outros, pois é o trabalho coletivo que conduz o progresso individual. O que uma pessoa não consegue fazer sozinha, certamente fará em conjunto com a sua coletividade.

Quando, nos sistemas educacionais nos dias de hoje, for sublinhado o conceito de unidade, de mútua cooperação e respeito recíproco, ao contrário de limitações que vêm de informações e noções sobre cada um dos assuntos escolares particulares, então sim, estaremos seguindo o caminho da formação de “pessoas” e não de uns “instruídos” que são incapazes de defrontar-se corajosamente com a vida.

“Virando as páginas do livro”

Hoje em dia, o que fornecemos aos nossos estudantes é só inquietação, porque, apesar de sabermos que eles precisam enfrentar os problemas e as dificuldades que aparecem e aparecerão a cada momento das suas vidas, nós não estamos preparando esses jovens para encarar tais dificuldades e aumentar o próprio horizonte interno. A maior parte da educação, em todos os níveis, dá a impressão de parecer essencialmente um “virando as páginas do livro”.

O professor precisaria antes de qualquer outra coisa ter ideais elevados, praticá-los no seu cotidiano e passar essa vivência para os próprios alunos. A finalidade principal da educação é colocar o estudante cara a cara com a realidade da vida e não a de imprimir nele as mais estouvadas teorias e noções que não podem ser utilizadas pelo seu sentido crítico e assim são ótimas para confundir cada vez mais.

Os educadores e sua pureza

Os futuros presidentes, ministros, senadores, deputados, saem de uma escola. Assim sendo, o papel de um professor é o de ter consciência para estar à altura isso. Os estudantes precisam ser capazes de desenvolver suas personalidades e estar preparados para conquistar as etapas mais elevadas da vida.

O que auxiliará isso será a pureza de coração dos mestres educadores. Quando um aluno toma uma estrada errônea, é grave, mas quando é um professor que segue esse caminho, então sim, será muito grave, porque uma classe inteira irá sofrer as consequências.

Os próprios educadores, os verdadeiros, são aqueles que com todos os esforços conseguem ter uma vivência moralmente irrepreensível e passar para as crianças as suas experiências e os valores que são inerentes a elas por meio do amor, que é o elemento básico.

Para cada criação usamos uma base: para as jóias é o ouro, ou a prata, para o vaso a base é a argila. Para os educares, os estudantes são o ouro, e a incumbência é que seus alunos se transformem em jóias.

Só os educadores que tem humildade podem, devem ensinar, transmitir bons pensamentos, inspirar as melhores atitudes e infundir a devoção que é preciso para transformar todos em pessoas ideais.

Os quatro princípios essenciais da educação

Destes quatro valores: Verdade, Paz, Amor e Ação Correta, poderemos tirar os quatro princípios primordiais para uma educação apropriada. (A Não Violência é uma extensão do princípio do Amor, quando ele se torna universal.)

O primeiro é o conhecimento (que sai da Verdade) relativo à Verdade. Nas escolas da atualidade se estuda a verdade relativa e não a verdade absoluta, que pode ser captada pela intuição e pela experimentação. Uma das mais importantes metas da educação é cultivar e desenvolver o talento, não apenas da matéria compreendida, profissional ou não, mas nos campos da moral e da ética.

Este é um dado que se refere diretamente ao comportamento, ou seja, agir corretamente.

O outro principio a Paz, é para ser transformada em “equilíbrio interior” através do ensino. Este é o dom mais precioso que a educação poderia dar, porque auxilia a compreender os opostos e fazê-los amigos, em uma síntese que integra o homem educado e equilibrado.

O ser humano “educado” fica sempre num estado equidistante dos opostos, não se deixa ficar enredado pelas situações e conserva o seu equilíbrio interior, conquistado com dificuldade através de grandes sacrifícios.

O quarto princípio, que é o Amor, refere-se, no campo educativo, à gentileza, afabilidade e cortesia.

Dessa forma é cabível afirmar que o conhecimento, o talento, o equilíbrio e a gentileza são os princípios do homem bem estruturado.

Intelecto e intuição

No córtex cerebral do ser humano há dois hemisférios: o direito e o esquerdo. O esquerdo controla principalmente a palavra, a lógica e a coerência. O que quer dizer que ele serve à faculdade intelectiva. O hemisfério direito, ao contrario, é intuitivo e emocional, se alia particularmente aos fenômenos da visão. Esse hemisfério está fundamentalmente voltado para a faculdade da intuição. Assim a consciência humana possui estas duas primorosas e básicas potencialidades: o intelecto e a intuição.

O intelecto pode perceber e identificar a verdade “relativa” (fatual, empírica e intelectual), os talentos, comportamento ético, o equilíbrio e, finalmente a gentileza, a cortesia, a amabilidade que nascem do coração e da vontade. Essa forma de educação, que usa a faculdade intelectiva do homem, está preparada para conquistar as finalidades que podem fazer do jovem bem estruturado, ser capaz de comportar-se corretamente na sociedade e no mundo que o rodeia.

Porém se estamos interessados em que a educação se propague, amplie e consiga obter o conceito de realidade absoluta ou de Essência, então a questão estará voltada exclusivamente para o hemisfério direito, da intuição que gera a espiritualidade, e isso quer dizer para a procura da sua pessoal realidade interior, para responder ao “Quem sou eu?” ou o socrático “Conhece-te a ti mesmo.”

Para conseguir isso é necessária a pratica dos valores fundamentais da ação correta, da verdade, paz e amor, compreendido agora não no sentido relativo, mas no absoluto.

O que é uma verdade relativa? Vemos um objeto que se apresenta sob forma sólida e que se rompido em pedaços, em muitos fragmentos, o objeto poderá ser reduzido ao pó, com capacidade para ser suscetível de se transformar, por sua vez, em energia. Esta energia é a verdade relativa daquele objeto.

No entanto, a verdade absoluta só é perceptível através da intuição da energia do Ser ou da sua Essência. Dessa maneira, o talento ou as capacidades inerentes a cada pessoa e o seu compromisso ético, que pressupõe um desejo humano com capacidade para dirigi-lo está se referindo a Ação Correta compreendida em sentido relativo e não absoluto. O contrário também pressupõe uma vontade divina que ultrapassa o homem depois que ele purificou todas as suas faculdades mentais e intelectuais, de qualquer impulso não desejado.

Nos dias atuais já existem cadeiras de desenvolvimento da intuição em renomadas universidades nos Estados Unidos e Europa.

Os impulsos não desejáveis são as qualidades negativas que bloqueiam o crescimento da intuição, quer dizer, a cólera, o orgulho, o ciúme, a luxuria, o apego material, etc.

Apenas a compaixão para com todas as criaturas é a razão típica deste tipo de vontade que surge espontaneamente na pessoa que realizou o Ser ou a Essência.

A paz como valor relativo típica dos heróicos que se abstêm, mas que em silêncio aceitam os acontecimentos, porque acham que de qualquer maneira tudo reencontra novamente o equilíbrio em si, independentemente da vontade humana. Esta é uma paz de tipo negativa, passiva.

Existe, porém a paz de tipo positivo, onde o homem, em estado de meditação, eleva-se ao nível da grande consciência que admite vivenciar a alegria superior, que ultrapassa as formas de imaginação humana e é isto que consiste no valor absoluto da Paz. Esta é a paz dos grandes santos.

E, finalmente o Amor que – num senso absoluto – significa a intuição em si, que é aquela luz que nasce no mais intimo de cada um de nós e que é capaz de nos fazer entender a unidade do objeto com o sujeito, da parte com o todo, e em última instancia determina o amor universal da não violência. Esta é a paz que todo ser humano pode alcançar.

O que é chamado hoje de educação (que quer dizer que só partes de todos os valores são considerados) refere-se ao grupo de valores compreendidos como um sentido, que uma boa educação deve estar capacitada a dar.

 

VALORES       

RELATIVOS:    CONSCIÊNCIA      TALENTOS           EQUILIBRIO       GENTILEZA

_______________ ||  ___________ || _________ || ___________ || ___

 

VALORES           VERDADE        AÇÃO CORRETA         PAZ

ABSOLUTOS:       +           +           +                 AMOR

                              AMOR                   AMOR       AMOR

_______________ ||____________ ||_________  ||____________ ||___

 

INTELECTO           VONTADE      SENTIMENTOS     CAPTAÇÃO

                          INTUITIVO         INTUITIVA       INTUITIVOS       INTUITIVA

 

 

 

Educação integral significa despertar o aluno para os valores existentes nele, tanto intelectualmente como intuitivamente.

 

O que significa intuição?

 

Vamos repetir: é uma “centelha” que provoca a demonstração da verdade sobre as coisas, um raio de luz emergente produzida pelo encontro no coração da mente e do intelecto. Exemplo: quando depois de muitos estudos Newton num momento de relax vê a maçã cair da árvore e tem a revelação intuitiva que confirma a Lei da Gravidade.

 

O desenvolvimento das faculdades intelectuais e intuitivas

 

Os Valores Humanos relativos são estes: conhecimento, talento, equilíbrio interior, gentileza ou amabilidade e amor ou entendimento ou consciência da responsabilidade social pessoal.

 

Os valores espirituais, que de maneira esquemática estão apresentados no quadro acima, são: a verdade, a ação correta, a paz e o amor.

 

O grande problema com que nos defrontamos é como aflorar não apenas as qualidades intelectuais,  mas também as intuitivas através da educação.

 

O intelecto é exercitado com o estudo das matérias tradicionais como a química, a física, a matemática, a historia, as ciências naturais, a literatura, etc.

 

A intuição é uma força que se relaciona especialmente ao ser espiritual. Isso quer dizer que devemos tentar cultivar nele todos os lados morais do comportamento, na escola ou fora dela, através de certas disciplinas aptas para esse tipo de desenvolvimento.

 

Referimo-nos à alimentação, ao sentar-se regularmente em silêncio e à introspecção, a leitura, para que seja possível despertar a divindade inerente a cada um, no trabalho social, na participação nos esportes e jogos que ajudem a cultivar o espírito associativo e de grupo, além de esgotar o excesso de energia no período específico de desenvolvimento físico, de programas culturais, de sessões de música, etc.

 

Neste conjunto, a disciplina não será imposta de cima, mas entendida e aceita com uma total autonomia de julgamento para o bem coletivo e individual.

 

Desta maneira, cultiva-se o terreno para um desabrochar das capacidades intuitivas e com elas o crescimento global da personalidade.  Formar o homem verdadeiro que saiba ser útil a si mesmo e aos outros é a finalidade principal da educação.

 

Podemos afirmar que, se a educação não alcançar o aspecto espiritual do ser humano, ela será imperfeita e não atingirá o seu real objetivo, que é a formação do carater, isto é, o despertar de todas as virtudes latentes do ser humano.

 

Na educação o dinheiro deve ser conseqüência e não o super objetivo do ensino. Caso contrário o materialismo sem alma continuará a transformar em tragédia a vida da humanidade atual.