Filosofia da Vida

VALORES HUMANOS

FILOSOFIA DA VIDA

 

“A finalidade da sabedoria é a liberdade,

A finalidade da cultura é a perfeição,

A finalidade do conhecimento é o amor,

A finalidade da educação é o carater!”


Teorias educativas
Vamos falar das diversas teorias educativas, que consideramos importantes analisar, uma vez que queremos saber como são os diferentes sistemas educativos existentes e podermos escolher certo.

Inicialmente há a teoria “teológica” que segue os cânones e os dogmas da religião católica e se limita rigorosamente aos seus princípios e ritos.

No tipo de educação que segue os conceitos dessa religião, nesses países, prevalece um pensamento racional.

 

Há a teoria que se conhece como “científico-humanista” que é usada em todos os níveis, desde a escola primaria até as universidades, que igualmente à anterior, à qual se contrapõe, adota in totum um dogma: os dogmas da ciência que começam no pressuposto de que as coisas têm início na matéria, e que a mente e o intelecto são uma extensão.

 

O materialismo histórico é um perfeito exemplo de filosofia embasada sobre este princípio. Assim como a teologia, esta teoria mostra sérias limitações: a teologia aceita a “alma” e não a “razão”, o materialismo histórico aceita a “razão” e não a “alma”.

 

Uma terceira teoria e a mais em voga no mundo de hoje é a “humanista”, que assume como fundamento todas as capacidades existentes no homem. O ser humano é o parâmetro para todas as coisas, é o centro do universo e tudo flui dele.

 

Analisar o homem é primordial para elaborar uma educação atualizada que ajude o desenvolvimento ordenado e equilibrado de sua personalidade.

 

Corpo, mente, intelecto, vontade e coração (o coração como base dos sentimentos) são os elementos nessa outra teoria.

 

O “humanismo espiritual” é a nova teoria que completa o quadro das diversas tendências educativas que existe nos dias de hoje.

 

A teoria humanista acima citada, falha quando não dá valor, não considera o elemento não definido pela “razão”, o espírito do homem, o sustentáculo de toda a sua personalidade. O humanismo não vai ao fundo das raízes de onde nasce todo o sistema dos “Valores Humanos”. A teoria humanista faz referências às virtudes que são de modo geral aceitas, como a bondade, a honestidade, a tolerância, as boas maneiras, todas expressões positivas mas que, se não vierem do profundo do ser e não forem aplicadas, praticamente não servem de nada na sua finalidade básica que é a de enfrentar tudo o que se desvia do que é honesto e moral, ou seja, o mal, que está sempre vivo em todos os períodos da humanidade. Quando o ódio domina e transborda nas guerras mundiais, como já vimos duas vezes no decorrer do século passado, as virtudes ensinadas pela educação humanista viram consequentemente pura dialética, sem capacidade para se defrontar com a brutalidade e a crueldade das paixões.

 

No entanto, com a teoria “humanista espiritual”, a educação, contrariamente, considera as reais raízes da personalidade humana, o espírito do homem, e trabalha não somente sobre o “homem psíquico” mas o “homem espiritual”. É grande o número de psicólogos modernos que aceitam, além da existência de uma consciência individual, uma consciência coletiva.

 

A primeira é a alma, ou psique, e a outra é o espírito universal que no homem está reproduzido em forma de centelha, uma partícula infinitesimal. Esta consciência individual e coletiva permite ao homem capacidade de ser forte diante de qualquer ato de violência e faz nascer nele os sentimentos de solidariedade humana e a compaixão.

 

Assim como a teoria humanista, da mesma forma a humanista-espiritual estabelece a perfeição de todas as capacidades do homem: físicas, mentais, intelectivas e psíquicas. Além disso, admite o espírito como origem da personalidade em sua globalidade.

 

Sendo assim, são realçados particularmente não somente os aspectos teóricos da educação, mas principalmente os práticos e o comportamento, que ajudam a diferenciar o certo do errado, o bem do mal.

 

Agregar a espiritualidade ao processo educativo deixará de ser excluído, mas enfatizará a união entre os valores comuns a todas as religiões. Será sem sentido introduzir a concepção religiosa de Deus ou os ritos particulares de cada religião que no fundo adoram e reverenciam uma verdade única, para assim implantar o sentido de tolerância, que é um dos mais importantes valores humanos.

 

Queremos finalizar esta rápida análise do tema, dizendo que a teoria “humanista-espiritual” é a mais completa porque leva em conta os elementos que não são profundamente pesquisados nas outras teorias, como a alma e o espírito do homem. Esses elementos são sentidos pelo ser humano, mas não são provados através da razão, pois a transcendem. No entanto, sabemos que a busca da verdade seria incompleta sem tais elementos, porque teríamos excluído um aspecto fundamental da personalidade humana.

 

Os Valores Humanos

“Valor é tudo o que faz a vida digna de ser vivida.” Os Valores Humanos são por definição, os seguintes:

- Verdade

- Ação Correta (Código Moral)

- Paz

- Amor

- Não Violência

Eles são a pedra fundamental de toda filosofia de vida e nos permitem encontrar a base para o conceito da educação que pretendemos expor.

 

A verdade

Existem duas formas de se falar da verdade: há uma que é baseada na ciência, no intelecto e na razão, ou a “verdade objetiva” que se fundamenta na matéria e nas percepções sensoriais.

 

Se falarmos “todos os homens são mortais” estamos dizendo uma verdade que é verificada pela experiência, estabelecida pela ciência e vinda da razão. Mas quando, inversamente, dizemos “todos os homens são imortais”, agora fizemos um enunciado de uma verdade que vai além do intelecto e da razão para desvendar o transcendente.

 

Esta verdade pode ser sentida por meio da intuição, compreendida como a qualidade de fazer próprio o conceito de imortalidade. Esta qualidade nasce do amor. A verdade referente a qualquer coisa é desvendada intuitivamente quando nós a amamos profundamente.

 

Esta intuição surge em nós como um lampejo que emana da alma. Está e a verdadeira propriedade do sistema que estamos analisando.

 

Assim sendo, é fundamental semear na criança por meio de exercícios de introspecção e de pesquisa cognitiva, noções sobre o que é correto e o que não é, sobre o bom e o ruim.

 

O código moral: a ação correta

É relacionado ao comportamento e com isso entra em jogo a prática da verdade. Quando esse exercício é realizado de forma certa, então a ação é correta e moral.

 

Vontade é diverso de desejo. Quando quero alguma coisa intensamente e desejo obtê-la a qualquer preço, agindo sobre esse impulso, isso não será vontade, mas desejo. A vontade faz parte da intuição, que é um reflexo do que há de mais íntimo: ela se expande no agir corretamente, isso se não for anulada pelo desejo. A prática da verdade resulta em comportamento moral.

 

A paz

O coração é a morada da paz quando não for agitado por conflitos emocionais e pelas paixões.

 

Na superfície do oceano em tempo de borrasca, as ondas estão grandes e fortes, mas indo lá nas suas profundezas haverá calma absoluta.

 

A paz é um valor humano fundamental na educação. A pessoa intelectualmente evoluída, mas que é incapaz de administrar suas emoções terá uma personalidade desequilibrada.

 

O amor e a não violência

É no amor e na não violência que está o alvo da psique, a alma do ser humano. O amor é uma energia única e não um desejo que se encaminha para a própria satisfação. Não é dar para querer receber, mas dar sem pensar no retorno, porque isso já está incluído.

 

O amor tem a capacidade da grande expansão, quer dizer, ele se projeta em direção aos outros e quando alcança a criação total, se transforma em não violência, o clímax de todas as conquistas humanas nesta vida.

 

Colocando em prática todos os valores, por meio de uma correta visão da vontade, com o entendimento e a prática da verdade, através da paz ganha pelo equilíbrio das emoções, começamos a sentir o amor universal, conseqüência da não violência.

 

Isso nasce naturalmente em uma personalidade pura, que não foi corroída por impulsos inadequados.

 

Ensinar através dos valores humanos quer dizer educar nestas cinco qualidades: verdade, ação correta, paz, amor, não violência, com os quais vamos passar o desenvolvimento equilibrado do físico, intelecto, mente e coração.

 

Apenas educando cada um para reconhecer as suas mais profundas e inatas qualidades, estaremos dando-lhes a capacidade de impregnar suas vidas de sentido e medidas justas.

 

“A educação é como um banco contra o qual o país emite ordens de pagamento cada vez que necessita de trabalhadores fortes e fiéis.”